::Revista NetHistória - Página Principal::

Entrar | Cadastre-se Facebook do NetHistória  Twitter do NetHistória  RSS do NetHistória
 Pesquisa NetHistória

NetHistória >> Seção Notícias >> Carlos Heitor Cony participa da Bienal [...]

Não existe arquivo PDF publicado

Referência ABNT

Carlos Heitor Cony participa da Bienal Brasil do Livro e da Leitura

por Deusdedith Alves Rocha Junior



Brasília viveu, na semana que antecedeu o seu 52º aniversário (14 a 22 de abril), a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, realizada na Esplanada dos Ministérios, que atraiu milhares de pessoas, com uma programação diversificada, que atraía a criança, a família, pensadores acadêmicos e pessoas ligadas à cultura, e que trazia artistas, grupos musicais, cantores, contadores de histórias, grupos teatrais e debatedores sobre as mais diversas temáticas.

O Espaço Café Literário, que recebeu intelectuais de diversas áreas, empreendeu um debate que reuniu jornalistas, cronistas e poetas que viveram a ditadura militar, como Carlos Heitor Cony e Thiago Mello, mediados pela jornalista Tereza Cruvinel. A trajetória de Cony como romancista e colunista durante o período da ditadura militar, ele relatou, resultou em seis prisões, desde que, motivado pelo Ato Institucional nº 1 (que foi baixado pela junta militar em 9 de abril de 1964, cassando e suspendendo direitos políticos de quem se opunha à implantação da ditadura), ele passou a escrever notícias que denunciavam as prisões de seus companheiros de profissão.

Autor de romances premiados e membro da Academia Brasileira de Letras, Carlos Heitor Cony procurou trazer o clima tenso de 1964, fazendo a leitura do artigo que publicou em 11 de abril daquele ano, e que resultou na sua prisão. Sem filiação partidária, mas atuando como intelectual em oposição ao regime ditatorial, Cony ressalta a sua atuação: “Fiz a minha luta particular. Sou um homem livre, apesar de ter sido preso seis vezes. Hoje, estou numa cadeira de rodas e continuo sendo um homem livre”.

Thiago de Melo lembrou da sua renúncia do cargo ocupava no Itamaraty (e que se encontrava no Chile naquele momento) e a iniciativa de Cony, o primeiro a se manifestar diante dos abusos autoritários dos que haviam se apossado do poder do Estado.

Por fim, Tereza Cruvinel, a mediadora, lamentou que a ditadura tenha conseguido abalar todas as formas de pensamento livre no Brasil daquele período. A Bienal Brasil tem início em um momento crucial da nossa relação com esse passado, afinal estamos em vias de ter instalada a Comissão da Verdade, para investigar os crimes cometidos pela ditadura. Neste momento, discutir esse tema implica em aprofundar sobre os modos como queremos reconhecer o passado recente da nossa história.

Fonte:
Portugal Digital - http://www.portugaldigital.com.br
Bienal Brasil do do Livro - http://www.bienalbrasildolivro.com.br



Talvez você se interesse também pelos conteúdos abaixo:

JK e a ditadura JK e a ditadura: A partir de 1961, quando deixou o governo, até 1976, ano em que morreu num acidente nunca inteiramente esclarecido, JK passou pela ?noite escura? dos processos, cassação, exílios e prisão, tornando-se um dos maiores vultos de nossa história.


A ditadura encurralada A ditadura encurralada: Na noite de 17 de junho de 1975, cinco senhores circunspectos reuniram-se no Rio de Janeiro. Quatro eram oficiais da Agência do Serviço Nacional de Informações, o famigerado SNI, braço investigativo da ditadura brasileira. O quinto era o general Antônio de Spínola, que menos de um ano antes havia liderado a Revolução dos Cravos em [::mais]


A vida sexual dos ditadores A vida sexual dos ditadores: "A vida sexual dos ditadores: uma irreverente galeria de déspotas, tiranos e outros monstros" é o mais novo lançamento da bombástica coleção "A Vida Sexual". Escrito pelo renomado Nigel Cawthorne, que também é autor do primeiro título da coleção: "A vida sexual dos papas", este livro certamente surpreenderá os leitores diante das [::mais]


Comissão da Verdade investiga um silêncio histórico Comissão da Verdade investiga um silêncio histórico: Na quinta feira, 11 de maio de 2012, publicou-se no Diário Oficial da União a lista dos sete nomes que integram a Comissão da Verdade. Os nomes de Cláudio Lemos Fonteles; Gilson Langaro Gipp; José Carlos Dias; José Paulo Cavalcante Filho; Maria Rita Kehl; Paulo Sérgio de Moraes Sarmento Pinheiro; e Rosa Maria Cardoso Cunha, foram indicados pela presidente Dilma Rousseff.


Projeto de Lei quer mudança de nome de monumento em Brasília Projeto de Lei quer mudança de nome de monumento em Brasília: A proposta pretende alterar o nome da ponte Costa e Silva, por se tratar de referência a personagem que ocasionou mal à população brasileira



Comentários:

Para inserir os seus comentários, você precisa estar logado em sua conta.

Caso não seja cadastrado, |clique aqui|.

Caso já tenha cadastro, |clique aqui|.



Revista NetHistória

© 1999 - 2013. Todos os direitos reservados.

Fale Conosco | Termos de Uso | Anuncie | Colabore |

Resolução Mínima: 1024px por 768px - Navegador Recomendado: Google Chrome