::Revista NetHistória - Página Principal::

Entrar | Cadastre-se Facebook do NetHistória  Twitter do NetHistória  RSS do NetHistória
 Pesquisa NetHistória

NetHistória >> Seção Releases >> Paisagens da História

Não existe arquivo PDF publicado

Referência ABNT

Paisagens da História

por Editora Campus





Release: Paisagens da História

Livro: Paisagens da História

Autor(es): John Lewis Gaddis

Editora: Editora Campus

Ano: 2003

N.º Páginas: 216



O que é história e por que devemos estudá-la? A história é uma arte ou uma ciência? Existe a chamada "verdade histórica"? Em “Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado”, John Lewis Gaddis, um dos mais conceituados historiadores da atualidade, faz um auto-exame da profissão e apresenta respostas claras e talvez definitivas para questões como a relação entre a história e a ciência. Trata-se de uma uma leitura essencial para todos aqueles que lêem, ensinam ou se interessam por história.

A recente avalanche de novas teorias que desafiam a idéia da "verdade histórica" fez com que muitos historiadores abandonassem a crença no caráter científico do estudo da história. Em seu polêmico e provocante livro, Gaddis argumenta que esse distanciamento dos historiadores acontece porque usam as ciências sociais modernas (economia, política, sociologia) como modelo quando deveriam estabelecer conexões com as ciências naturais (física, geologia, biologia e outras).

No livro, Gaddis observa que, embora o método histórico seja mais sofisticado do que a maioria dos historiadores normalmente admite, não é preciso um discurso hermético para organizá-lo. Em termos de reflexão sobre a disciplina, o livro é ao mesmo tempo uma interessante introdução ao método histórico, uma importante reafirmação para seus praticantes e uma crítica eficaz à alegação pós-moderna de que é impossível conhecer o passado.

John Lewis Gaddis é professor titular da cátedra Robert Lovett em História Militar e Naval na Universidade de Yale. Uma autoridade reconhecida em história da Guerra Fria, suas publicações incluem “We Now Know”, “The Long Peace”, e “Strategies of Containment”.






Talvez você se interesse também pelos conteúdos abaixo:

Antecedentes indígenas: organização social das tribos tupis Antecedentes indígenas: organização social das tribos tupis: Um pensador da altura do professor Florestan Fernandes, professor é o título que mais lhe agradava, dispensa apresentações para aqueles que se inteiraram das Ciências Sociais no Brasil do século XX. Aluno e professor da Universidade de São Paulo desde o início dos anos 1940 devotou sua vida acadêmica aos estudos das sociedades tupinambás [::mais]


A primeira História do Brasil: História da província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil A primeira História do Brasil: História da província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil: A ?História da província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil?, de Pero de Magalhães de Gândavo, foi a primeira obra publicada em língua portuguesa sobre o Brasil. Sua primeira edição, que inclui sonetos de Luís de Camões, amigo do autor, data de 1576 e, além de inaugurar a história e a geografia do Brasil ? uma preocupação [::mais]


A fronda dos mazombos A fronda dos mazombos : Embora tenha servido de tema para o romancista oitocentista José de Alencar e de fonte de estudo para os sociólogos Caio Prado Júnior e Gilberto Freyre em obras clássicas da historiografia brasileira, o episódio conhecido como Guerra dos Mascates, ocorrido em 1710-1711 em Pernambuco, entre os moradores das cidades de Olinda e Recife [::mais]


Um rio chamado Atlântico Um rio chamado Atlântico: Em 1963, Alberto da Costa e Silva assistiu a sir Hugh Trevor-Hoper, famoso professor de Oxford, afirmar para um auditório que "não havia uma história da África subsaariana, mas tão-somente a história dos europeus no continente, porque o resto era escuridão, e a escuridão não é matéria da história". Uma infeliz afirmação porque, três anos [::mais]


Imigração portuguesa no Brasil Imigração portuguesa no Brasil: Surpreende a falta de estudos históricos sobre a imigração portuguesa para o Brasil. Na historiografia portuguesa, o que se tem é uma preocupação com os estudos dos descobrimentos e da expansão lusa, acendrada, nos últimos tempos, pela mania tão nossa de comemorar datas redondas ? os 500 anos das viagens de Vasco da Gama e de Pedro [::mais]



Comentários:

Para inserir os seus comentários, você precisa estar logado em sua conta.

Caso não seja cadastrado, |clique aqui|.

Caso já tenha cadastro, |clique aqui|.



Revista NetHistória

© 1999 - 2013. Todos os direitos reservados.

Fale Conosco | Termos de Uso | Anuncie | Colabore |

Resolução Mínima: 1024px por 768px - Navegador Recomendado: Google Chrome