::Revista NetHistória - Página Principal::

Entrar | Cadastre-se Facebook do NetHistória  Twitter do NetHistória  RSS do NetHistória
 Pesquisa NetHistória

NetHistória >> Seção Releases >> Paisagens da História

Não existe arquivo PDF publicado

Referência ABNT

Paisagens da História

por Editora Campus





Release: Paisagens da História

Livro: Paisagens da História

Autor(es): John Lewis Gaddis

Editora: Editora Campus

Ano: 2003

N.º Páginas: 216



O que é história e por que devemos estudá-la? A história é uma arte ou uma ciência? Existe a chamada "verdade histórica"? Em “Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado”, John Lewis Gaddis, um dos mais conceituados historiadores da atualidade, faz um auto-exame da profissão e apresenta respostas claras e talvez definitivas para questões como a relação entre a história e a ciência. Trata-se de uma uma leitura essencial para todos aqueles que lêem, ensinam ou se interessam por história.

A recente avalanche de novas teorias que desafiam a idéia da "verdade histórica" fez com que muitos historiadores abandonassem a crença no caráter científico do estudo da história. Em seu polêmico e provocante livro, Gaddis argumenta que esse distanciamento dos historiadores acontece porque usam as ciências sociais modernas (economia, política, sociologia) como modelo quando deveriam estabelecer conexões com as ciências naturais (física, geologia, biologia e outras).

No livro, Gaddis observa que, embora o método histórico seja mais sofisticado do que a maioria dos historiadores normalmente admite, não é preciso um discurso hermético para organizá-lo. Em termos de reflexão sobre a disciplina, o livro é ao mesmo tempo uma interessante introdução ao método histórico, uma importante reafirmação para seus praticantes e uma crítica eficaz à alegação pós-moderna de que é impossível conhecer o passado.

John Lewis Gaddis é professor titular da cátedra Robert Lovett em História Militar e Naval na Universidade de Yale. Uma autoridade reconhecida em história da Guerra Fria, suas publicações incluem “We Now Know”, “The Long Peace”, e “Strategies of Containment”.






Talvez você se interesse também pelos conteúdos abaixo:

Historiografia em debate: a escravidão colonial nas obras de Jacob Gorender, Kátia Mattoso, João José Reis e Luiz Felipe de Alencastro Historiografia em debate: a escravidão colonial nas obras de Jacob Gorender, Kátia Mattoso, João José Reis e Luiz Felipe de Alencastro: A historiografia brasileira já produziu várias obras sobre a escravidão, cada qual construída de acordo com a tendência e a metodologia adotadas por seus autores. Em 1933, Gilberto Freyre lançava ?Casa-Grande e Senzala?, obra que caracterizava a escravidão como um sistema paternalista na relação entre senhores e escravos, evidenciada na [::mais]


A História A História: Esta nova obra do historiador francês François Dosse propõe aos filósofos e aos historiadores trocar reflexões sobre noções e conceitos em uso no pensamento e na escrita da história: a verdade, a causalidade, a narração, o tempo, a finalidade, a memória. Dosse revisita o passado da disciplina histórica para melhor compreender o seu [::mais]


Apologia da história, ou o ofício do historiador Apologia da história, ou o ofício do historiador: Um livro que discute com profundidade a teoria e a metodologia em história, além de fazer uma crítica ao mito de imparcialidade, tão difundido pelos positivistas. O autor é o conhecido Marc Bloch, um dos maiores historiadores que o mundo já conheceu, além de ser um dos fundadores da revista ?Annales?, que marcou profundamente a [::mais]


1680-1720 - O império deste mundo 1680-1720 - O império deste mundo: Após a morte do padre Antônio Vieira, ocorrida nos últimos anos do século XVII, a concepção religiosa de Império praticamente desapareceria dos círculos onde se desenhava a política do mundo português.


A questão do poder na Colônia A questão do poder na Colônia: A administração da Colônia, foi um assunto bastante discutido pela historiografia brasileira antiga, passando para segundo plano, a partir de 1960, com o predomínio de estudos socioeconômicos e posteriormente de temas culturais. Os que se propuseram a estudar a questão do poder na colônia não chegaram as mesmas conclusões. Para uns a [::mais]



Comentários:

Para inserir os seus comentários, você precisa estar logado em sua conta.

Caso não seja cadastrado, |clique aqui|.

Caso já tenha cadastro, |clique aqui|.



Revista NetHistória

© 1999 - 2013. Todos os direitos reservados.

Fale Conosco | Termos de Uso | Anuncie | Colabore |

Resolução Mínima: 1024px por 768px - Navegador Recomendado: Google Chrome